Desastres Naturais e Drones: qual o principal papel

A prioridade em desastres deve ser a agilidade em encontrar rotas de saída, sobreviventes e perigos de novos acontecimentos

Neste mês tivemos, mais uma vez, um dos desastres que afeta nosso meio ambiente. Não vamos entrar em méritos e culpados, e sim, em mostrar soluções que podem ser utilizadas para casos assim.

As prioridades em desastres como o de Brumadinho, que ficam com as equipes de resgate, são as de busca por sobreviventes, busca por rotas de saída, futuros acidentes ocasionados pelo rompimento da barragem. Assim como, o monitoramento do local e demais locais afetados.

Aconteceu, e agora?

O primeiro passo a ser dado neste momento é o de colocar grande quantidade de pessoas capacitadas para analisar e encontrar soluções para o resgate.

Com o auxílio de câmeras infravermelho e termais, é possível, portanto, que sejam encontradas pessoas ou animais em condições não visíveis a olho nu. Com esta tecnologia ocorre a aceleração no processo de resgate, que, nestes casos, sofre grandes diferenças em segundos.

Até onde vai se arrastar essa onda?

Em segundo momento, o monitoramento dos avanços do desastre são tão importantes quanto o resgate. Acompanhando o deslocamento e os efeitos causados em tempo real, é possível avisar as próximas comunidades atingidas e tomar as providências.

Até o momento a onda segue o caminho do Rio e se mantêm sob controle. É necessário, portanto, realizar o acompanhamento em tempo real para quaisquer eventuais mudanças.

E daqui pra frente, o que mudar?

Sabe-se que nosso país sofre grandes dificuldades financeiras e problemas com corrupção e desvio de recursos. Nesta hora é necessário, portanto, que se reveja os procedimentos e escolha-se por atos menos custosos e mais precisos.

“Nós temos óbvias deficiências na fiscalização. Estou falando a nível federal e estadual. Falta gente. Então é preciso compor os quadros de fiscais e é preciso dar carros e aeronaves, para eles poderem fazer fiscalização de maneira eficiente”

Alberto Sayão, professor de engenharia Geotécnica da PUC-Rio.

O principal agora é fortalecer nossa legislação e fiscalização nas obras que temos em todo país. É ponto principal que sejam tomadas providências para evitar casos assim no futuro.

Segundo relatório da Agência Nacional de Águas, somente 3% das barragens nacionais estariam em dia com as vistorias necessárias. Então, aumenta-se a preocupação com futuros desastres que possam ocorrer, se não utilizarmos dos drones em desastres atuais.

Por enquanto as equipes trabalham, é nosso papel passar a informação para o máximo de pessoas. Com a informação circulando, as pessoas começam a cobrar e sugerir seu uso.

Fique ligado nas nossas atualizações no Insta, blog e Facebook.

SUGERIDOS PARA VOCÊ

Relacionados a sua necessidade

Shopping Basket

PODEMOS TE AJUDAR COM DEMANDAS DE TOPOGRAFIA?